27 maio 2014

Regulamento do Prémio

Escrito por

REGULAMENTO

CAP.I

DISPOSIÇÕES GERAIS

Art.º 1.º

(Objeto)

  1. O prémio «INOVAR PARA MELHORAR» é atribuído anualmente e visa galardoar a Associação Mutualista que tenha implementado um projeto que constitua uma «boa prática» do movimento mutualista, i.e., que constitua um exemplo de inovação e modernidade que passa a ser seguido pelas demais associações mutualistas nas áreas em que estas atuam, contribuindo, desta forma, para o progresso e desenvolvimento do Mutualismo e da Economia Social Solidária.

Art.º 2.º

(Âmbito de aplicação)

  1. Podem concorrer todas as Associações Mutualistas.
  2. Cada Associação Mutualista poderá submeter, no mesmo concurso, apenas um projeto.
  3. O mesmo projeto não pode ser admitido a concurso mais do que uma vez.

Art.º 3.º

(O Prémio)

  1. O Prémio é constituído por um galardão e pela atribuição de um diploma.

CAP.II

CANDIDATURAS

Art.º 4.º

(Apresentação de Candidaturas)

  1. Os projetos submetidos ao concurso devem ser apresentados em língua portuguesa e em modelo próprio, aprovado pelo Conselho de Administração da União das Mutualidades Portuguesas (UMP), o qual é divulgado juntamente com o aviso de abertura do concurso.
  2. O cronograma será apresentado na fase de abertura de concurso, sendo obrigatório o cumprimento dos prazos fixados.
  3. As candidaturas devem ser submetidas até às 24h do último dia do prazo para a apresentação das candidaturas.
  4. O preenchimento do formulário de candidatura, disponibilizado pela União das Mutualidades Portuguesas, é obrigatoriamente precedido do preenchimento do formulário de pré-registo.
  5. O preenchimento de todos os campos do(s) formulário(s) é obrigatório.
  6. Para que a candidatura seja formalmente apresentada, devem ser anexados os ficheiros ao formulário da candidatura, em formato pdf.
  7. Para a finalização do processo, basta submeter a candidatura, após o preenchimento completo do respetivo formulário.
  8. Dos anexos deve constar, obrigatoriamente (conforme exemplo abaixo):

Anexo 1 – cartao_pessoa_coletiva.pdf

Anexo 2 – projeto_«nomedoprojeto».pdf

 

Art.º 5.º

 

(Período das Candidaturas)

 

Anualmente, será aberto um período de candidaturas pelo prazo máximo de 60 dias, que será publicitado no site da União das Mutualidades Portuguesas.

 

 

CAP.III

JÚRI

Art.º 6.º

(Composição e nomeação do Júri)

  1. O Júri, composto por três elementos, será nomeado, anualmente, pela União da Mutualidades Portuguesas, de entre personalidades de reconhecido mérito e comprovada experiência nas áreas da segurança e solidariedade sociais, desde que não façam parte dos órgãos associativos de qualquer Associação Mutualista, incluindo a União das Mutualidades Portuguesas.
  2. A nomeação do Júri será divulgada anualmente com a abertura do concurso e vigorará durante o período anual de atribuição do prémio, caducando com a atribuição do mesmo.
  3. Os membros do Júri elegerão, entre si, um Presidente.
  4. A União das Mutualidades Portuguesas dará apoio ao Júri, no desempenho das suas funções.

 

Art.º 7.º

(Competências)

  1. Ao Júri compete:
    1. Proceder à seleção e avaliação dos projetos apresentados a concurso;
    2. Deliberar sobre a atribuição do prémio;
    3. Elaborar atas das reuniões realizadas.
  2. União das Mutualidades Portuguesas compete:
    1. Proceder à publicação do concurso, dos seus patrocinadores e do presente regulamento;
    2. Proceder à receção e registo das candidaturas e respetivos projetos;
    3. Assegurar a disponibilização dos projetos a concurso aos membros do Júri;
    4. Garantir as condições necessárias ao funcionamento do Júri;
    5. Organizar, ouvido o Júri, a cerimónia de atribuição do prémio;
    6. Devolver às candidatas os projetos apresentados sem os requisitos regulamentares;
    7. Proceder à divulgação do projeto premiado, bem como dos demais projetos submetidos a concurso.

Art.º 8.º

(Seleção e avaliação)

  1. Constituído o Júri, este decidirá previamente sobre a admissibilidade das concorrentes em função da compatibilidade dos projetos apresentados com o objeto do prémio e das demais prescrições do presente regulamento.
  2. Os projetos não admitidos a concurso serão devolvidos às respetivas candidatas.
  3. O Júri poderá solicitar às candidatas o envio de elementos/informações adicionais.
  4. O Júri procederá à apresentação dos projetos admitidos a concurso, classificando-os por ordem da respetiva qualidade face aos objetivos do presente prémio.
  5. A classificação a que se refere o número anterior atenderá ao contributo que esse projeto poderá dar ao desenvolvimento do movimento mutualista, à originalidade do mesmo e ao grau de facilidade da sua implementação.
  1. Para efeitos do número anterior, o Júri considera os seguintes critérios de ponderação:
  2. A ata final do júri expressará os resultados das deliberações tomadas, fazendo parte integrante da ata todos os documentos que contenham elementos de fundamentação das decisões de cada um dos membros do Júri sempre que não houver unanimidade na atribuição do prémio.

A) Inovação (60%):

            1) Grau de contribuição para o desenvolvimento do mutualismo (60%);

                        1.1) Potencia o aumento do número de associados (1-20%);

                        1.2) Potencia o aumento da satisfação dos associados/utentes (1-10%);

                        1.3) Aumenta a produtividade (1-10%)

                        1.4) Melhora os processos organizacionais (1-10%)

                        1.5) Contribui para um desenvolvimento sustentável (1-10%)

B) Originalidade: (20%)

1) Grau de utilidade do projeto (1-10%)

2) Aspeto estético do projeto (1-10%)

C) Facilidade de implementação (20%)

            1) Adaptabilidade do projeto às associações congéneres (1-10%)

            2) Custo de implementação do projeto (privilegiando-se o menor custo) (1-10%).

 

CAP.IV

DA ATRIBUIÇÃO DO PRÉMIO

Art.º 9.º

(Deliberação)

  1. Cada membro do Júri tem direito a um voto.
  2. As decisões do Júri são definitivas e tomadas por maioria simples.
  3. O Júri poderá decidir pela não atribuição do prémio se os requisitos de qualidade não forem preenchidos, devendo essa decisão constar da ata devidamente fundamentada.
  4. O Júri atribui o prémio à 1.ª classificada, sendo o seu nome e o projeto premiado publicamente divulgados.

Art.º 10.º

(Atribuição)

A entrega do prémio à primeira classificada terá lugar em cerimónia pública, integrada nas comemorações do «Dia Nacional do Mutualismo».

 

CAP.VI

 

DISPOSIÇÕES FINAIS

 

Art.º 12.º

 

(Alteração ao Regulamento)

 

  1. O presente Regulamento pode ser alterado por iniciativa da União instituidora do prémio.
  2. As alterações que vierem a ser introduzidas no Regulamento durante o período que medeia o termo do prazo para apresentação dos trabalhos a um concurso e a decisão final do Júri, não poderão ser aplicadas a essa edição do prémio.
  3. As alterações que ocorram são automaticamente integradas no texto do regulamento e o seu conteúdo objeto de divulgação.

Art.º 13.º

(Dúvidas e Omissões)

As dúvidas e omissões suscitadas pelo presente regulamento são resolvidas pelo Conselho de Administração da União das Mutualidades Portuguesas.

 

Aprovado em sessão do Conselho de Administração da UMP, de 09 de abril de 2014.

 

 

 

 

 

 

 

 

30 maio 2014

Composição do Júri

Escrito por
         
 silvapeneda   marianaferreira    eduardograca
         
 Dr. Silva Peneda    Dra. Mariana Ferreira   Dr. Eduardo Graça
Presidente do CES   Presidente do Conselho Diretivo do ISS   Presidente do CASES

 

A União das Mutualidades Portuguesas, constituída em 1984, é uma associação mutualista de grau superior, que congrega as associações mutualistas nacionais, com o objetivo de as promover e representar junto das entidades públicas, privadas e sociais, definindo as orientações estratégicas e as linhas gerais de direção do Movimento Mutualista, no âmbito das suas finalidades estatutárias, como também, se assume como parceira no Pacto de Cooperação para a Solidariedade Social, participando em representações nacionais e internacionais.

De acordo com o disposto no art.º 11º do Decreto-lei n.º 72/90, de 3 de Março, a União das Mutualidades Portuguesas, é uma mutualidade de grau superior, que nos termos do art.º 3º dos seus Estatutos tem por finalidade essencial:

a) Promover a defesa, desenvolvimento, cultura e práticas da solidariedade mutualista;

b) Assegurar a organização e representação do Movimento Mutualista.

Visão 

Posicionar o Mutualismo como uma força de referência do Setor Social e Solidário.

Missão

Reforçar e desenvolver o Movimento Mutualista, promovendo o Associativismo e conquistando espaços de intervenção social, em prol das Mutualidades e dos seus Associados.

Objetivos

Os objetivos primários da União das Mutualidades Portuguesas são a promoção da defesa, inovação, cultura e práticas do Movimento Mutualista, assegurar o desenvolvimento e representação das Mutualidades Portuguesas no território nacional e internacional, expandir a ação das Associadas a novas áreas, bem como unificar e divulgar a Rede Mutualista na sociedade. 

Assumimos uma postura ativa, democrática e credível na construção de uma sociedade mais solidária, incentivando o envolvimento dos cidadãos na sua proteção e promovendo uma maior qualidade de vida às famílias portuguesas, encontrando na proteção da segurança social, saúde e apoio social, soluções adequadas às necessidades dos cidadãos.

Órgãos Associativos da UMP Triénio 2018 a 2020

Órgãos Associativos da UMP Triénio 2015 a 2017

Órgãos Associativos da UMP Triénio 2012 a 2014

 

Vídeo Institucional UMP

 

 

02 junho 2014

Mutualismo

Escrito por

 

O Mutualismo é um sistema privado de proteção social que visa o auxílio mútuo dos seus membros. É uma forma de organização económica em que os associados são parte ativa na definição da sua auto proteção social, assente numa solidariedade responsável, pois ao juntarem-se a outros para “mutualizarem” os riscos que afetam a estabilidade dos seus rendimentos, repartindo os custos de forma equitativa e participando na organização de regimes complementares e previdência, beneficiam do efeito de dimensão e de solidariedade.

 

Valores que o definem

  • Solidariedade 
  • Igualdade
  • Proteção 
  • Cidadania
  • Inclusão Social
  • Inovação e Renovação
  • Transparência

 

O Movimento Mutualista

O Movimento Mutualista congrega em todo o País cerca de um milhão de associados e mais de dois milhões e meio de beneficiários, organizados num conjunto de  associações de âmbito local e nacional, que têm um papel histórico fundamental na proteção social, sobretudo nas áreas da segurança social e da saúde.

As Associações Mutualistas têm sabido complementar e colmatar as falhas e limitações dos sistemas públicos de proteção social e das respostas das entidades privadas com fins lucrativos, e encontram-se empenhadas no desenvolvimento de novas soluções adequadas às necessidades dos cidadãos e das famílias.

O Movimento Mutualista assume-se hoje por toda a Europa como o novo caminho da proteção social para este milénio e parceiro fundamental no processo de reforma dos sistemas de segurança social e de saúde.

O Mutualismo, por constituir uma alternativa de carácter social, que não depende do Estado nem tem fins lucrativos, é uma solução indispensável para garantir uma auto proteção social de segurança social, saúde e ação social eficaz, com custos mais baixos e cuja rentabilidade se distribui por todos os associados.

O Mutualismo é um movimento em que o funcionamento democrático assume uma importância fulcral, na medida em que as decisões são tomadas pelos próprios associados, em Assembleia Geral, permitido aos indivíduos participarem ativamente e decidirem os contornos da sua proteção social.

02 junho 2014

União

Escrito por

.