UMP reafirma querer assumir um papel ainda mais interventivo na Economia Social e Solidária

Image 1O Conselho de Administração da União das Mutualidades Portuguesas (UMP) reuniu-se ontem, 19 de janeiro, com o Ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, José Vieira da Silva, e a Secretária de Estado da Segurança Social, Cláudia Joaquim.

Na audiência, estiveram presentes o Presidente do CA da UMP, Luís Alberto Silva, e a Vice-Presidente, Jani Salomé, que apresentaram os cumprimentos oficiais aos novos membros do Governo e manifestaram a disponibilidade do setor Mutualista, como modelo social sustentado e sustentável, não só para o desenvolvimento de respostas complementares de proteção social mas também para a criação de soluções inovadoras e eficazes face aos novos desafios que se impõem à Economia Social e Solidária.
A alteração do Código das Associações Mutualistas (CAM) foi uma das grandes preocupações que o CA da UMP levou aos membros do Governo, pois a sua publicação "reveste-se de caráter fundamental para o futuro e a ação das Mutualidades," lembrou Luís Alberto Silva.
Tal como consta do Programa de Ação da UMP, a expansão do modelo mutualista português pelo mundo é um dos grandes objetivos para 2016, pelo que a UMP apelou ao Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social que apoie a concretização deste objetivo.
Luís Alberto Silva deseja que 2016 seja um ano de renovação, dinamização e elevação do movimento mutualista. “A UMP quer assumir um papel cada vez mais interventivo na Economia Social e Solidária, em Portugal e no mundo. De forma a concretizar os pressupostos constantes na Constituição e na Lei de Bases da Economia Social, é crucial que sejam removidos os obstáculos e limitações ao setor, reconhecendo que as Mutualidades são entidades capazes de "operar" em todos os setores de atividade, evitando-se o recurso, burocrático e dispendioso, à constituição de outras e novas figuras jurídicas para o desenvolvimento dessas atividades, promovendo igualmente a sustentabilidade destas organizações".