Sessão de Lisboa fecha, com sucesso, Jornadas Mutualistas Regionais dedicadas à reabilitação urbana e ao RGPD

LISBOA JMR 1000

 

O Presidente do Conselho de Administração da União das Mutualidades Portuguesas, Luís Alberto Silva, considerou que a elevada participação de dirigentes, técnicos e colaboradores das Associações Mutualistas nas Jornadas Mutualistas Regionais, que esta sexta-feira terminaram em Lisboa, é “um sinal revelador” da importância que atribuem à capacitação dos seus recursos humanos.

“Informar, esclarecer, estreitar laços e partilhar experiências são fatores críticos para a modernização de um Movimento Mutualista rejuvenescido e voltado para o futuro. E isso passa por continuar a elevar as competências técnicas dos dirigentes e colaboradores das Mutualidades Portuguesas”, disse Luís Alberto Silva, no decurso da segunda sessão das Jornadas Mutualistas Regionais, realizadas na sede da Associação Mutualista O Porvir da Família Telégrafo Postal, em Lisboa, que, a exemplo da primeira realizada em Esmoriz, no norte do país, registou elevada participação.

Luís Alberto Silva sublinhou, ainda, os grandes desafios que o Movimento Mutualista enfrenta. Desde logo, o novo Código das Associações Mutualistas, que entrou em vigor no início do mês e que trouxe consigo um leque de significativas alterações ao nível da supervisão e da forma de governação das mutualidades. Estas mudanças implicam a adequação dos seus estatutos às normas do novo Código, até 1 de setembro de 2019, prazo para o qual chamou a atenção das Mutualidades, no sentido de acautelarem esses mecanismos e evitarem a perda do estatuto de utilidade pública.

“Pelo impacto que terá no futuro, vamos dedicar o Encontro Nacional de Dirigentes Mutualistas, que vai acontecer, em 25 de outubro, na Covilhã, ao debate e ao esclarecimento sobre o novo Código das Associações Mutualistas”, acrescentou.

Luís Alberto Silva aproveitou a abertura dos trabalhos, em que esteve presente também o presidente de O Porvir da Família Telégrafo Postal, anfitriã do evento e a Associação Mutualista mais recentemente filiada na UMP, António Soares, para dar nota de uma reunião com o Secretário Geral da UGT, Carlos Silva, onde se deu o pontapé de saída num processo negocial com vista à criação de Instrumento de Regulação Coletiva de Trabalho, específico para as Mutualidades.

As Jornadas decorreram durante todo o dia, com intervenções de especialistas em instrumentos de financiamento de operações de reabilitação urbana, de organizações como a Entidade de Gestão do IFRRU2020, representada por Teresa Ferreira; do Instituto da Habitação e Reabilitação Urbana (Rui Estríbio) e da Fundisestamo (Eduardo Júlio); e no novo Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD), matéria que tantas dúvidas tem suscitado nas associações e empresas e que foi esmiuçada por Henrique Necho, da Necho & Associados.

Os trabalhos serviram ainda para apresentação dos novos protocolos institucionais celebrados pela União das Mutualidades Portuguesas e entidades públicas e privadas, com realce para os casos da “Farma +”, representada por Sérgio Lessa, que apresentou soluções inovadoras na área das farmácias; e da Orbis, cujos produtos na área da limpeza e conservação foram apresentados por Rui Galvão.

O Vice-Presidente da UMP José Carvalho encerrou a sessão reiterando a disponibilidade da UMP em continuar a contribuir para a capacitação das Associações Mutualistas.