CASES divulga vencedores do Prémio Cooperação e Solidariedade António Sérgio 2018

Premio ASERGIO

 

Já são conhecidos os vencedores da sétima edição do Prémio Cooperação e Solidariedade António Sérgio. A cerimónia pública de entrega das distinções terá lugar no dia 24 de janeiro, na Sociedade Portuguesa de Autores, e insere-se no Tributo a António Sérgio, por ocasião do cinquentenário da sua morte. Segue-se a relação dos premiados e das menções honrosas:

Categoria Inovação e Sustentabilidade

Nesta categoria vencem ex-aequo duas entidades, a Coolabora, com o projeto Troca a Tod@s, e a U.DREAM, com a iniciativa Expansão da U.DREAM para a cidade de Aveiro.

O projeto Troca a Tod@s visa promover a reflexão e construção de uma experiência de consumo solidário, valorizando de modo integral as pessoas e os seus saberes e privilegiando o consumo de proximidade. Nesse sentido, são realizadas feiras com oficinas de partilha de conhecimentos e nas quais as transações são realizadas com uma moeda social complementar, o tear.

A Expansão da U.DREAM para a cidade de Aveiro mantém o objetivo desta associação: concretizar sonhos a crianças portadoras de deficiência, com doenças crónicas ou em risco, contando com uma estrutura "empresarial" de estudantes universitários voluntários. A principal atividade realizada em 2017 foi a procura da equipa certa para dirigir o núcleo de Aveiro.

São ainda atribuídas duas menções honrosas, à Solidaried'arte, pelo projeto Loja Eco Solidária Itinerante e à Casa do Povo de Abrunheira, pelo projeto ArteMemória - Cuidar da memória através da arte.

A Loja Eco-Solidária Itinerante é um projeto desenvolvido na Região Autónoma dos Açores. Através da montagem de Lojas Eco Solidárias Itinerantes, a associação, sediada em Ponta Delgada, promove a recolha de bens usados e em excesso para que possam ser diretamente distribuídos a toda a população da Ilha de São Miguel, na modalidade de solidariedade partilhada. No ano de 2017 o projeto abrangeu 17 concelhos.

O ArteMemória é um projeto inovador de combate à demência, apostando em pinturas que retratam a memória coletiva dos utentes institucionalizados, aliando arte e terapia, com o propósito de prevenir, estabilizar e reabilitar estados demenciais, bastante comuns na comunidade sénior.

Categoria Estudos e Investigação

Vence Vítor Manuel Figueiredo, com a tese de Doutoramento em Gestão da Universidade da Beira Interior "As Cooperativas como Alianças Estratégicas: Fatores de sucesso para a satisfação dos cooperadores vitivinícolas da região do Dão". Este estudo tem por objetivo identificar os fatores que influenciam a satisfação dos cooperadores vitivinícolas.

Categoria Trabalhos de Âmbito Escolar

É premiado o Agrupamento de Escolas Conde de Ourém com o projeto AGIR. O projeto pretende incentivar experiências de voluntariado e solidariedade envolvendo os diversos agentes educativos, numa dinâmica organizada e orientada para a melhoria do meio social. É desenvolvido num espaço com alunos voluntários - Espaço AGIR - onde se organizam e desenvolvem atividades inerentes às seguintes áreas de intervenção: Pobreza/Fome; Desemprego/Sustentabilidade; Educação/Literacia; Saúde; População Sénior; Conviver com a Diferença; Sustentabilidade Ambiental e Parceria Global para o Desenvolvimento Humano.

Categoria Trabalhos Jornalísticos

Vencem ex-aequo Marta Gonçalves e Nuno Botelho pelo trabalho jornalístico Gente bonita come fruta feia: as virtudes da imperfeição e Isabel Osório pela reportagem televisiva Os 25 Anos da Associação Abraço.

Gente Bonita come Fruta Feia é uma reportagem do jornal Expresso sobre a Fruta Feia, uma cooperativa que tem como objetivo reduzir o desperdício alimentar, comprando aos produtores aquilo que as grandes superfícies comerciais não querem – apenas porque tem um toque ou é demasiado pequeno – e vendem depois aos seus associados em cabazes.

Os 25 Anos da Associação Abraço é uma reportagem especial, transmitida pela SIC Notícias. Graças aos avanços da medicina e da ciência, a sida passou nas últimas décadas de doença fatal a doença crónica. Contudo, o combate à doença começou também a ser ganho quando a sociedade se mobilizou de muitas formas, sobretudo nos alertas para a necessidade de uma maior prevenção. A Abraço, que celebrou 25 anos, foi das primeiras associações a promover campanhas e a ajudar os doentes infetados.

É também atribuída uma Menção Honrosa a Pedro Vasco Oliveira, pela grande reportagem Confederação Portuguesa de Economia Social: Nascimento de uma organização impensável há pouco mais de um ano, publicada no jornal Solidariedade, na qual é abordado o percurso feito pela Economia Social e os seus principais agentes até à criação da Confederação.

Prémio de Honra Personalidade da Economia Social 2018

Honra à Carreira

Vence Francisco Silva, que possui um extenso e relevante percurso profissional ligado ao sector cooperativo agrícola e do crédito agrícola, salientando-se a função de secretário-geral da CONFAGRI, protagonizando, desde a sua criação, o processo de crescimento, consolidação e afirmação no sector cooperativo e na Economia Social. Salienta-se também no processo de afirmação e fortalecimento do sector da Economia Social em Portugal, assinalando-se a realização do Congresso Nacional da Economia Social e a criação da Confederação Portuguesa da Economia social (CPES). Foi eleito por unanimidade Presidente do grupo de trabalho da Comissão Organizadora do Congresso, destacando-se pelo seu empenhamento e capacidade de estabelecer pontes entre todos os intervenientes. Tem, ainda, presidido à comissão instaladora da Confederação.

Honra à Capacidade Empreendedora

Vence Ivone Félix, Coordenadora Executiva da CERCIOEIRAS, que tem procurado, sobretudo, humanizar o atendimento aos utentes através da inserção de métodos e técnicas científicas aplicadas por colaboradores especializados nas áreas de psicologia, serviço social, terapias, educação física e psicomotricidade. A sua atividade tem incidido na defesa dos direitos das pessoas com deficiência intelectual e na prestação de serviços/ respostas sociais que vão ao encontro das necessidades das famílias e dos clientes com deficiência ou outras vulnerabilidades sociais.