Entidades da Economia Social, empreendedorismo social e terceiro setor

 O Parlamento Europeu apoia a Economia Social 

O Intergrupo da Economia Social está agora constituído

  • No dia 27 de janeiro o Intergrupo da Economia Social (SEIG) foi oficialmente relançado pelos seus membros. Foi eleito o novo gabinete que integra deputados europeus de cinco grupos políticos e de 6 países. 
  • O novo gabinete irá decidir sobre as atividades e prioridades políticas do SEIG para os próximos 4 anos e meio.
  • A Economia Social representa 2 milhões de empresas e emprega mais de 14 milhões de trabalhadores assalariados na União Europeia.

 

10415581 1531171507163402 5803904189687788949 n

O novo Intergrupo de Economia Social foi oficialmente relançado, durante a reunião constitutiva, realizada no dia 27 de janeiro, no Parlamento Europeu, em Bruxelas. Um novo gabinete formado por cinco copresidentes e dois vice-presidentes foi eleito pelos membros. O novo bureau irá decidir sobre as atividades e prioridades políticas do SEIG para os próximos 4 anos e meio. No entanto, as principais linhas de orientações do SEIG já tinham sido acordadas pelos seus membros. O Intergrupo irá apelar à Comissão Europeia para que inclua o desenvolvimento do setor da economia social, entre as suas prioridades, para os próximos cinco anos. A promoção da economia social pode contribuir para a criação de emprego, crescimento e mais coesão social na União Europeia.

O gabinete do Intergrupo de Economia Social é, atualmente, composto por 5 copresidentes de 5 grupos políticos: Jens Nilsson (S&D-Suécia), Ramón Luis Valcárcel (EPP-Espanha), Beatriz Becerra (ALDE-Espanha), Marie- Christine Vergiat (GUE/NGL- França) e Sven Giegold (GREENS/EFA-Alemanha) e por dois vice-Presidentes: Sofía Ribeiro (EPP-Portugal) e Elena Gentile (S&D-Itália). Jens Nilsson assegurará a partir de agora a coordenação do gabinete dos membros.

Jens Nilsson afirmou, "Acreditamos que as organizações da economia social proporcionam oportunidades para as pessoas contribuírem e desempenharem um papel ativo no desenvolvimento de uma sociedade sustentável. É por esta razão que a economia social é tão importante no fortalecimento da democracia europeia, e é por isso que conseguimos um forte apoio de cinco diferentes grupos políticos no parlamento. Agora estamos ansiosos para continuar o nosso diálogo com o setor ".

Alain Coheur, Presidente da Economia Social Europa, a organização de cúpula encarregue do Secretariado afirmou, "no contexto atual de crise económica e social na União Europeia, a economia social tem um importante potencial de crescimento e criação de emprego que deve ser promovido pelas instituições da UE. A economia social tem demonstrado, em tempos difíceis, a sua capacidade para manter postos de trabalho e para criar emprego de qualidade: por exemplo, desde 2008 170.000 novos empregos e 25.000 novas empresas foram criadas em Espanha, é um enorme sucesso.

Nesta primavera o gabinete pretende organizar duas audiências públicas sobre a inclusão da economia social entre as prioridades políticas da Comissão Europeia para o próximo mandato. Com vista a garantir o desenvolvimento e visibilidade da economia social, o SEIG pretende formular propostas concretas para a Comissão Europeia.