UMP associa-se à PAR

A União das Mutualidades Portuguesas aderiu à Plataforma de Apoio aos Refugiados (PAR), na qual figuram já instituições como a Amnistia Internacional, o Comité Português para a UNICEF, a Cáritas Portuguesa e o Conselho Português para os Refugiados, entre outros parceiros.

A atual crise de refugiados coloca o desafio de uma resposta europeia solidária e eficaz que se sobreponha aos egoísmos nacionais, que não aumente a xenofobia e que seja efetivamente útil. O modelo de funcionamento escolhido foi "uma instituição - uma família".

A UMP não podia ficar indiferente a este apelo. A par do trabalho que tem feito junto das suas Associadas para definir uma estratégia para apoiar o acolhimento de refugiados, associou-se a este dispositivo, no sentido da concertação de esforços para a diminuição das consequências da tragédia humanitária em curso na Europa.

O objetivo é criar condições no terreno para alojamento, alimentação, acesso à saúde e educação e trabalho, tendo como base de apoio uma autarquia ou uma instituição e com vista à autonomização desses cidadãos.

Para já, a Plataforma propõe a criação de condições para receber "com qualidade" cerca de 1.500 refugiados, embora este não seja um número fechado.